Linfedema e câncer de mama.

Receba nossa newsletter. Cadastre-se!



Linfedema e câncer de mama

A complicação tardia mais comum descrita na literatura e vista em nossa prática clínica nas pacientes que realizaram tratamento para o câncer de mama é o linfedema.

linfedema é uma condição crônica, definida como o acúmulo anormal de proteínas plasmáticas e líquido no espaço intersticial.

Pacientes tratadas cirurgicamente são submetidas a remoção dos linfonodos axilares para reduzir o risco de metástase por via linfática, embora os cirurgiões estejam buscando abordagens menos agressivas e que ocasione menor comorbidade, como a biópsia do linfonodo sentinela (BLS), nem sempre isso é possível, necessitando assim da remoção parcial ou total desses linfonodos (esvaziamento axilar).

A remoção dos linfonodos é a principal causa do linfedema, por gerar obstrução ao fluxo da linfa. Porém outros fatores podem estar ligados ao seu surgimento como as complicações pós operatórias, infecção, linfangite, erisipela e a radioterapia.

O aumento do volume do membro superior homolateral a cirurgia, causado pelo linfedema pode ocasionar:

– dor
– desconforto
– diminuição do arco de movimento
– disfunção funcional
– alteração psicossociais
– problemas psicológicos (auto-estima)
– maior risco de infecções.

Protocolos fisioterapêuticos vem sendo adotados para melhorar ou minimizar os problemas descritos, sendo eles divididos em duas fases: intensiva e de manutenção.

Os protocolos incluem: drenagem linfática, enfaixamento compressivo, auto cuidado com a pele, exercícios miolinfáticos e uso de braçadeiras elásticas. Quando combinada, essas técnicas podem ser nomeadas como Terapia Descongestiva Complexa.

Novas técnicas também vem sendo aplicadas e estudadas para efetivar o tratamento, um exemplo é o uso de bandagens, como no linfotaping.

Embora os resultados para reverter os prejuízos ocasionados pelo linfedema, tem cada vez mais mostrado sua eficiência clínica e científica, como profissionais da saúde, não podemos esquecer que a nossa maior arma é a prevenção.

O linfedema pode ser prevenido desde a fase pré operatória através de orientações relacionadas as atividades laborais e de vida diária, prescrição de exercícios para retorno breve da mobilidade, explicação do que é o linfedema e quais os seus sinais e sintomas, para que as pacientes possam identificar precocemente qualquer alteração e assim procurar um profissional especializado para trata-lá, visto que quanto mais rápido instituído o tratamento melhores serão os resultados.

Atenção: Permito a reprodução dos artigos desde que citada a fonte.

Compartilhar!