Fisioterapia

Receba nossa newsletter. Cadastre-se!



Fisioterapia

Diretivas Antecipadas de Vontade

Você já pensou quais os cuidados, tratamentos e procedimentos que deseja ou não ser submetida quando estiver com uma doença ameaçadora da vida, fora de possibilidades terapêuticas e impossibilitado de manifestar livremente sua vontade.

As diretivas antecipadas de vontade são documentos que tem como objetivo garantir que seus desejos sejam mantidos, caso você não tenha capacidade de responder por si mesmo. Esse documento pode ser dividido em TESTAMENTO VITAL e MANDATO DURADOURO.

É importante que este documento seja redigido com a ajuda de um médico de confiança do paciente, contudo, o médico terá o papel apenas de orientar a pessoa quanto aos termos técnicos, não deve o profissional de saúde impor sua vontade ou seus interesses pessoais, pois a vontade que está sendo manifestada é exclusivamente do paciente.

No Brasil não existe...

Leia mais ➜

Quimioterapia Branca e Vermelha

A diferença entre a quimioterapia vermelha e a branca é o medicamento utilizado. A quimioterapia vermelha é a que emprega medicamentos do grupo das antraciclinas, das quais as mais usuais são a epirrubicina e a doxoorrubicina, que são compostos vermelhos, como a inclusão do “rubi” no nome indica.

A quimioterapia branca engloba uma série de outros medicamentos, incluindo a ciclofosfamida, os taxanos (docetaxel e paclitaxel), a gencitabina e a vinorelbina.

Embora popoularmente difundido, não há especificamente nenhuma correlação entre a cor e a potência das drogas, nem com seus eventos adversos. A diferença entre elas, está em seu mecanismo de ação de cada uma das substâncias, o seu perfil de efetividade e a toxicidade, que podem ser potencializados ao se combinar as drogas em “esquema” ou “protocolos”.

A...

Leia mais ➜

Meditação & Câncer

Os efeitos terapêuticos multidimensionais da meditação têm sido extensivamente comprovados em indivíduos com câncer.

O comprometimento multidimensional da saúde dos pacientes com câncer, ou em consequência de seu tratamento, justifica a adoção de intervenções multidimensionais como complemento às terapias convencionais, como as terapias mente-corpo, que cumprem esse papel com excelência ao promover aos pacientes com conhecimentos e habilidades que os permitam enfrentar e controlar seus sintomas. Isso acontece, devido o princípio de que se eles aprenderem a focalizar a mente é possível controlar as emoções e, em consequência, as funções do organismo.

Algumas intervenções mente-corpo usadas como terapias complementares têm apresentado efeitos benéficos para o controle dos transtornos clínicos, emocionais, comportamentais e espirituais associados ao câncer e às consequências de seu tratamento, incluindo...

Leia mais ➜

Hidroterapia como recurso terapêutico no câncer de mama

A fisioterapia desempenha um papel fundamental na resolução de complicações relacionadas ao pós operatório do câncer de mama, utilizando recursos terapêuticos específicos (físicos e naturais) para promover não só a recuperação funcional da cintura escapular e de membros superiores, como também minimizar complicações decorrentes do tratamento.

Embora a hidroterapia seja tradicionalmente considerada um recurso fisioterapêutico eficaz no tratamento de pacientes neurológicos, atualmente vem sendo empregada em programas de controle da dor crônica, na reabilitação cardíaca, no meio ortopédico e no tratamento de pacientes em pós-mastectomia.

As evidências científicas comprovam que a hidroterapia é útil na reabilitação de pacientes mastectomizadas por...

Leia mais ➜

ABC Da Fisioterapia em Oncologia

A  Anticorpo Monoclonal Um tipo de proteína produzida em laboratório que pode localizar e ligar-se às substâncias no corpo, incluindo as células tumorais. Existem muitos tipos de anticorpos monoclonais, cada um é produzido para encontrar uma determinada substância. Eles podem ser usados de forma isolada ou para transportar fármacos, toxinas ou materiais radioativos ao tumor.

B Biópsia do Linfonodo Sentinela  É um procedimento que conserva a axila e que depende da interação da medicina nuclear, equipe cirúrgica e patologistas. Para identificar o linfonodo sentinela, é injetada uma substância radioativa (corante azul) através de localização por mamografia, ultrassom ou por apalpação. Posteriormente, será realizada uma cintilografia das mamas. A imagem, fornecida pelo radiofármaco, é...

Leia mais ➜

Amputações em Pacientes Oncológicos

Ser submetido a um tratamento oncológico é por si só um grande desafio, os indivíduos com tumores ósseo ou de partes moles necessitam em grande parte das vezes tratamento cirúrgico e apesar de existirem soluções que permitam a preservação dos membros a amputação muitas vezes é considerada como única opção.

Existe um grande paradoxo quando falamos em cirurgia de amputação de membros, temos ao mesmo tempo a sensação de perda e de ganho. Por um lado temos uma cirurgia de grande porte, mutilante mas por outro temos a chance de um recomeço livre da doença. Enxergamos a amputação não como final, e sim como começo do tratamento.

Nos pacientes oncológicos a amputação quase sempre é realizada de maneira eletiva, ou seja, existe tempo para...

Leia mais ➜

Oncogeriatria: Envelhecimento e Câncer

Quando o paciente recebe o diagnóstico de câncer, o primeiro desafio é a busca pelo melhor tratamento. Com os avanços da medicina, principalmente na área oncológica, contar com uma equipe de excelência somada a recursos tecnológicos de última geração fazem toda a diferença. Sendo de suma importância o atendimento multidisciplinar oncológico para o tratamento do idoso com câncer.

A incidência de câncer em pessoas acima de 60 anos vem crescendo em ritmo acelerado e, devido às peculiaridades dos pacientes idosos, começa a ganhar força o atendimento com enfoque oncogeriátrico, que tem como finalidade oferecer cuidado multidisciplinar ao idoso com câncer. O principal objetivo da oncogeriatria é definir juntamente com o paciente e sua família, por meio da aplicação de uma avaliação...

Leia mais ➜

Fadiga por Compaixão: A dor de quem cuida

Os profissionais que lidam com pessoas em risco eminente de morte, enfermos ou vitimados por situações traumáticas podem ser contagiados pela dor e pelo sofrimento do outro, e desenvolver problemas de saúde como burnout e estresse traumático secundário. Comumente utilizados para descrever efeitos negativos na saúde, esse termos ainda são imprecisos na literatura, mas na prática e dia a dia, seu surgimento, trazem agravos à saúde física, psíquica e social do indivíduo, inclusive podendo repercutir negativamente no serviço prestado ao usuário e entidade de trabalho.

Refletindo sobre a imprecisão desses termos, um tipo de transtorno psíquico, vem sendo  descrito como fadiga por compaixão e que parece acometer, especificamente, profissionais da saúde. Trata-se de uma síndrome que...

Leia mais ➜

Oncoestética: Da auto-estima a Cura!

Sabemos que, todas as pessoas que recebem a notícia de que tem câncer,  além de todas as alterações físicas que podem ocorrer pelo tratamento ou pela doença, os aspectos psicológicos também acabam sendo abalados através de pensamento negativos em relação a imagem corporal que é agravada em uma sociedade que essencialmente busca a aparência perfeita.

Consequente a isso, ocorre uma repercussão em relação a auto-estima que pode ser definida como o apreço, valorização e confiança que uma pessoa tem por si própria.

Alterações relacionadas ao tratamento como, por exemplo a alopecia (queda de cabelos e pelos), é uma das principais causas de receio e anseio entre os pacientes, por além da repercussão estética de alguma forma acaba dando ao paciente “a cara do...

Leia mais ➜

Miopatias induzidas por uso de corticoides

O assunto aqui é sobre os corticoides e para começar vamos definir “Os corticoides, também conhecidos como corticoesteroides, cortisona ou cortisol, são hormônios produzidos pelas glândulas supra-renais.”  podem ser sintetizados e transformados em medicamentos muito utilizados no tratamento do câncer.

De maneira geral, os corticoides são drogas que conseguem modular processos inflamatórios e imunológicos do nosso organismo, tornando-se extremamente úteis no tratamento de diversas doenças, entre elas o câncer. 

O grande problema é que o uso prolongado dessas medicações podem ocasionar diversos efeitos colaterais indesejáveis, entre eles: Insuficiência da glândula suprarrenal, Síndrome de Cushing, Osteoporose, Catarata, Trombose, Úlceras, Hipertensão arterial,...

Leia mais ➜

Reconstruções mamárias: papel da fisioterapia

A reconstrução mamária visa melhorar a autoestima da mulher que foi submetida à mastectomia, além de evitar alterações posturais devido à falta da mama. A reconstrução pode ser feita através de retalhos musculares retirados da região dorsal ou abdominal, além do uso de próteses expansoras temporárias ou definitivas ou próteses de silicone.

A fisioterapia deve atuar na prevenção, redução e regressão das complicações cirúrgicas. O ideal é iniciar na fase pré-operatória, pois a avaliação visa conhecer as alterações pré-existentes e identificar possíveis fatores de riscos para complicações pós-operatórias. Na fase pós-cirúrgica, o objetivo é tratar as seguintes complicações: dor,...

Leia mais ➜

Fisioterapia para as sequelas dos Esvaziamentos Cervicais

Em 1906, Crile descreveu o esvaziamento cervical radical (ECR) e Martin (1951) popularizou esta operação, que compreende a remoção de todo o tecido linfático do pescoço, além de estruturas com íntima relação com as cadeias linfáticas cervicais, tais como:músculo esternocleidomastoideo, veia jugular interna e nervo acessório (XI par craniano). Entretanto, este procedimento é esteticamente deformante e produz desordens desde estruturas da face e pescoço até o complexo do ombro homolateral à cirurgia.

Retrações Cicatriciais

Após uma cirurgia é fundamental acelerar a cicatrização para que a mesma fique menos visível e dolorosa e sem aderências. Quando há uma cicatriz cirúrgica verifica-se sempre alguma limitação de movimentos e dor quando se...

Leia mais ➜

Pilates como aliado no tratamento do câncer

 Atualmente já é comprovada a grande importância de realizar exercícios físicos durante o tratamento do câncer. Mas você sabe por quê? A prática de atividades físicas é uma intervenção clinicamente eficaz e segura, que consegue minimizar e/ou melhorar os diversos sinais e sintomas que os indivíduos que passam ou passaram pelo tratamento oncológico (seja ele cirúrgico, quimioterápico e/ou radioterápico) podem apresentar.

Algumas das mais comuns disfunções e incapacidades decorrentes do tratamento do câncer são: fadiga, fraqueza muscular, diminuição da amplitude de movimento, alterações posturais, alterações funcionais e redução da qualidade de vida. Dentre as várias modalidades de exercícios que podem ser realizados por pacientes com...

Leia mais ➜

Complicação pós mastectomia #1 Escápula Alada

A escápula alada é uma complicação que pode ocorrer devido à exposição do nervo torácico longo durante a linfonodectomia axilar em pacientes com câncer de mama.

A maioria das lesões do nervo torácico longo, é parcial e transitória (neuropraxia), que progressivamente se recupera num período de um mês a dois anos, mas normalmente se restabelece em oito meses. Entretanto, a persistência da escápula alada indica uma lesão completa e irreversível do nervo (neurotmese).

O nervo torácico longo é puramente motor e inerva especificamente o músculo serrátil anterior, que é responsável por manter a escápula fixa na parede torácica, quando se executa o movimento de empurrar e rodar a escápula superiormente, permitindo assim a elevação do membro superior acima...

Leia mais ➜

Você sabe o que é Síndrome Dolorosa pós Mastectomia?

A Síndrome Dolorosa Pós Mastectomia pode ser devido à lesão de ligamentos ou músculos ou, com mais frequência, de origem neuropática, ou seja, devido à lesão ou compressão de algum nervo.

A presença de dor logo após a cirurgia de câncer de mama pode ser devido a diversos fatores, como a própria incisão cirúrgica, presença do dreno, cordões fibrosos na axila, tensão muscular ou dor articular, por exemplo. Com o início precoce da fisioterapia, cicatrização da ferida e retirada do dreno, esse sintoma de dor costuma desaparecer em alguns dias. No entanto, quando a dor persiste por mais de três meses após a cirurgia, é caracterizada como Síndrome Dolorosa Pós Mastectomia (SDPM).

Apesar de o nome da síndrome dolorosa citar apenas a cirurgia radical de mama (mastectomia), pode também ocorrer em mulheres submetidas a cirurgias conservadoras (quadrantectomia ou nodulectomia) com retirada de linfonodos. A cirurgia da axila, na verdade,...

Leia mais ➜

O que faz um fisioterapeuta oncológico?

A fisioterapia em oncologia é uma especialidade que tem como objetivo preservar, manter, desenvolver e restaurar a integridade cinético-funcional de órgãos e sistemas do paciente com câncer.

O fisioterapeuta oncológico deve estar apto para desenvolver suas atividades com pacientes infantis, adolescentes, adultos jovens e idosos, em situações que vão desde a cura aos casos em que ela é irreversível, e desenvolver seus programas de tratamento dentro deste contexto. O profissional dessa área deve saber lidar com as seqüelas próprias do tratamento oncológico, atuando de forma preventiva para minimizá- las.

Indicações para atendimento
As indicações para assistência fisioterapêutica são determinadas pelas disfunções causadas pelo tumor no paciente, assim como pelos tipos de tratamento adotados.

A radioterapia, indicada tanto para o tratamento exclusivo da doença quanto para...

Leia mais ➜

Paciente plaquetopênico. E agora fisioterapeuta?

Assim, uma avaliação rigorosa deve ser realizada pelo fisioterapeuta antes de iniciar qualquer terapêutica nestes pacientes, considerando as condições clínicas e os parâmetros fisiológicos.

A plaquetopenia, também denominada por trombocitopenia, é a diminuição do número de plaquetas no sangue (menor que 150.000/mm³). As plaquetas são células que possuem propriedade de coagular o sangue, são produzidas na medula óssea e sua função é estancar/impedir hemorragia.

O valor considerado normal de plaquetas é 150.000 a 400.000/mm³ ¹. Nos pacientes oncológicos, a plaquetopenia tem origem multifatorial, resultantes tanto de efeitos diretos do tumor quanto de múltiplos mecanismos de causas secundárias, como invasão da medula óssea, processos inflamatórios e efeitos relacionados à quimioterapia ou à radioterapia.

Os autores, Avvisati e cols., descreveram que pacientes com contagens de plaquetas menor que...

Leia mais ➜

Benefícios da dança como terapia para pacientes com Câncer

A dança é uma das atividades que ganha espaço nas terapias a cada dia, como estratégia preventiva na inatividade, com isso promove qualidade de vida, objetivando alcançar o equilíbrio funcional, psico

Os objetivos essenciais da fisioterapia no pós operatório das cirurgias oncológicas são, otimização da função, ganho de força muscular, manutenção da postura corporal adequada,ganho de amplitudede movimento de um membro envolvido, aderência de cicatrizes, pele e fáscias e otimização do resultado estético.

O fisioterapeuta é um membro essencial na equipe de oncologia, tratando do paciente como um todo, apontando não só seu estado físico, mas também as questões sociais e emocionais associados ao diagnóstico do câncer.

Apesar da necessidade e os pacientes serem altamente orientados da importância da atividade física, a desmotivação é uma grande barreira na...

Leia mais ➜

Drenagem linfática causa metástase ou recidiva MITO OU VERDADE?

Um dos grandes receios que ainda alguns profissionais têm em relação ao atendimento do paciente com câncer é que a realização de técnicas de massagem ou drenagem linfática manual possa acelerar ou permitir que o câncer se espalhe para uma região distante do tumor primário, condição chamada de metástase, seria isso possível?

A Drenagem Linfática Manual (DLM) é uma técnica de massagem  realizada com pressões suaves e como o próprio nome diz, as mãos do terapeuta seguem as vias linfáticas do corpo, assim favorecendo o deslocamento dos líquidos acumulados nos tecidos.

Em pacientes oncológicos, principalmente os que realizaram cirurgias que necessitam da abordagem e/ou...

Leia mais ➜

Tratamento fisioterapêutico na incontinência urinária pós-prostatectomia radical

A Saúde do Homem é uma área da fisioterapia pélvica ainda pouco estudada e reconhecida uma das diversas preocupações deste seguimento é a prevenção do câncer de próstata e suas complicações urinárias, este tipo de câncer é uma doença  silenciosa, que pode ocorrer sem sintomas, porém quando  detectada precocemente, aumenta de forma significativa as chances de cura.

Os exames preventivos como por exemplos, o toque retal e o PSA são fundamentais tanto para prevenção quanto para o diagnóstico da doença e devem ser sempre recomendados e acompanhados pelo urologista. Homens a partir dos 50 anos de idade ou 45, no caso de haver casos de câncer de próstata na família,...

Leia mais ➜

Câncer de cabeça e pescoço: Trismo

O termo trismo pode ser usado para definir qualquer limitação que um indivíduo tenha de abrir a boca. Esse bloqueio no distanciamento das mandíbulas pode ocorrer na retirada do terceiro molar, mas também durante e após o tratamento de alguns tipos de câncer de cabeça e pescoço. Os tumores localizados na cavidade oral ou em estruturas próximas a ela podem comprometer de alguma forma o funcionamento da articulação temporomandibular (ATM), que é responsável por fazer nossa abertura e fechamento da boca em atividades como bocejar, falar e mastigar.

 

Nós podemos avaliar o grau de severidade desta condição por meio de réguas milimétricas, paquímetros, ou simplesmente observando quantos dedos pode-se colocar entre os dentes do paciente. Além disso, a...

Leia mais ➜

Importância da odontologia como parte de uma equipe multidisciplinar em pacientes oncológicos.

Já faz um tempo que a literatura tem comprovado a importância de uma saúde bucal satisfatória como parte do tratamento para doenças sistêmicas (seja ela adquirida ou congênita).

Em pacientes oncológicos, os tratamentos mais comuns: QUIMIOTERAPIA (QT) e RADIOTERAPIA (RT), visam inibir ou destruir células neoplásicas, e por vezes afetam células normais. A QT é uma terapia sistêmica que pode agravar a condição bucal do paciente, a RT por sua vez, geralmente apresenta alterações quando o tumor é na área de cabeça e pescoço.

O momento ideal de procurar o dentista (com especialidade em PACIENTES ESPECIAIS), é antes mesmo de o tratamento oncológico começar, isso porque após início do ciclo de QT ou RT o paciente entra em imunossupressão (baixa imunidade). Nesse período, as manifestações pré-existentes podem ser amplificadas.

Além disso, dependendo da gravidade da infecção odontológica manifestada,...

Leia mais ➜

O incrível crescimento da Fisioterapia em Oncologia e a escassez de profissionais qualificados

Você sabia?
• As seqüelas do tratamento oncológico repercutem diretamente sobre a funcionalidade do paciente em suas atividades de vida e laborais, necessitando do fisioterapeuta para minimizar esse impacto negativo.
• Os sobreviventes de câncer precisam receber tratamento fisioterapêutico adequado para obter melhora da auto-estima, funcionalidade, dignidade e qualidade de vida.
• O mercado precisa de profissionais preparados e dedicados para atender essa alta demanda de pacientes em todos os níveis de atenção à saúde.
• Cresce o número de instituições privadas e públicas que atendem especificamente pacientes com câncer.
• A Fisioterapia Oncológica pelos motivos citados acima é uma área em ascensão dentro da profissão e...

Leia mais ➜

Seroma Pós Mastectomia

O câncer de mama é a segunda neoplasia mais frequente nas mulheres brasileiras e também já é considerado uma questão de saúde pública. Para o ano de 2017, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA)


Conforme o Documento de Consenso para o Controle do Câncer de Mama, a indicação cirúrgica depende do estadiamento clínico e do tipo histológico, sendo uma dessas cirurgias conhecida como mastectomia, considerada do tipo não conservadora. (Costa CRA et al, 2004).

A mastectomia radical clássica, descrita por Halsted , permaneceu como tratamento de escolha por aproximadamente 70 anos, sendo que as técnicas com preservação do músculo peitoral maior ou de ambos os peitorais, descritas por Patey ,Dyson e por Madden, passaram a ser conhecidas como mastectomia radical modificada (Gois MC et al, 2010).

As pacientes submetidas à mastectomia radical modificada mostraram-se 2,5 vezes mais propensas a desenvolver seroma (Hashemi E. et al, 2004), que consiste numa complicação de coleção...

Leia mais ➜

As Terapias Alternativas e complementares na Oncologia

Antes de falar sobre a Acupuntura, é bom saber como se forma o câncer, ele possui características heterogêneas, os tumores malignos têm propriedades de crescimento além dos limites impostos às células

As Práticas Alternativas e Complementares podem ser acompanhadas pelas terapias convencionais como: cirurgia, quimioterapia, radioterapia e a terapia molecular. 1) Práticas baseadas na fitoterapia: remédios à base de ervas, vitaminas e entre outros suplementes da MTC; 2) Práticas de manipulação corporal: massagem, reflexologia, exercício; 3) Terapias energéticas: terapia do campo magnético, reiki, toque terapêutico, qigong;  e os 4) Sistemas médicos da MTC. (Siege P 2013; Barros NF 2013)

Na MTC, não existe conceito de malignidade, ele é dividido em: “Ru Pi” formação de nódulos uniforme (benigna), “Ru Yan” nódulo difícil (maligno). (Maciocia, 2007) 

Já existem evidências de que quando combinadas com...

Leia mais ➜

Linfedema e câncer de mama

A complicação tardia mais comum descrita na literatura e vista em nossa prática clínica nas pacientes que realizaram tratamento para o câncer de mama é o linfedema.

linfedema é uma condição crônica, definida como o acúmulo anormal de proteínas plasmáticas e líquido no espaço intersticial.

Pacientes tratadas cirurgicamente são submetidas a remoção dos linfonodos axilares para reduzir o risco de metástase por via linfática, embora os cirurgiões estejam buscando abordagens menos agressivas e que ocasione menor comorbidade, como a biópsia do linfonodo sentinela (BLS), nem sempre isso é possível, necessitando assim da remoção parcial ou total desses linfonodos (esvaziamento axilar).

A remoção dos linfonodos é a principal causa do linfedema, por gerar obstrução ao fluxo da linfa. Porém outros fatores podem estar ligados ao seu surgimento como as...

Leia mais ➜

Fisioterapia e morte

O fisioterapeuta tem em sua essência ser o reabilitador, desenvolver habilidades perdidas por aquele que estava fadado a   cama/leito, o “fisio” é aquele que faz o mega/plus/advance recrutamento alveolar e de uma maneira quase que sagrada devolve o ar aos pulmões, fomos formados para isso, tivemos aula de anatomia, fisiologia, biomecânica, cinesiologia, pediatria, neurologia, ortopedia, pneumologia , várias outras “ogia” e saímos da faculdade certos de que podemos fazer milagres com nossas mãos. E isso não é mentira, muitas vezes fazemos mesmo, mas o que ninguém falou ou pode até ter falado mas subvalorizando a importância do tema é que vai chegar uma hora que você pode dominar todas as técnicas, pode ter aprendido o método internacional x ministrado pela PHD no...

Leia mais ➜

Por que se especializar em fisioterapia oncológica?

O câncer é a segunda maior causa de morte em nossa sociedade, ficando atrás apenas para as doenças cardiovasculares. E tenho uma má e uma boa noticia, vamos começar pela má: estima-se para o ano de 2015 mais de 517 mil novos casos de câncer no Brasil, isso mesmo… MAIS DE 500 mil pessoas receberam o diagnóstico da doença. Agora vamos para boa, os avanços científicos, principalmente na última década aumentam consideravelmente a chance de cura e sobrevida dos pacientes.

Os pacientes oncológicos precisam passar por diversos tratamentos agressivos, como cirurgias para retirada de tumores e necessitando às vezes da remoção parcial ou total de órgãos, quimioterapia e/ou radioterapia, diante disso diversas comorbidades atingem o paciente...

Leia mais ➜

Síndrome do cordão axilar

Vamos aproveitar o finalzinho do Outubro Rosa, para falar sobre a neoplasia mais frequente em mulheres no Brasil, o Câncer de Mama. Em 2014 segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer era esperado mais de 57 mil novos casos da doença. A cirurgia continua sendo a principal ferramenta para o tratamento do câncer de mama, podendo estar associado a quimioterapia, a radioterapia e a hormonioterapia.

Diversas complicações podem acometer pacientes que realizaram cirurgia para o tratamento da neoplsaia mamária, entre elas limitação para o movimento do ombro, parestesia (dormência), linfedema (inchaço), dor, deiscência dos pontos (abertura dos pontos), alterações na cicatriz e a Síndrome do Cordão Axilar/ Axillary Web Syndrome (SCA), essa última pouco discutida e pelos profissionais que...

Leia mais ➜

Transplante de medula óssea – qual a importância do fisioterapeuta?

Acredito que com a quebra do paradigma câncer x morte, a fisioterapia oncológica tem cada vez mais demonstrando sua importância na área, com os avanços técnicos- científicos o tempo de sobrevida do pacientes com câncer tem aumentado e a necessidade de um profissional capacitado para o manejo das sequelas advindas do próprio tratamento (cirurgia, quimioterapia e radioterapia) tem permitido que o fisioterapeuta especialista em oncologia alcance seu espaço dentro da equipe multiprofissional.

O fisioterapeuta que trabalha com oncologia, dentro desse universo de medos e incertezas, deve tirar o foco da doença e voltar o paciente para sua independência funcional e qualidade de vida. Nessa área temos a liberdade de atuar em todas as fases do tratamento, desde o diagnóstico até o momento em que não...

Leia mais ➜

Câncer de cabeça e pescoço. O papel do fisioterapeuta.

O câncer de cabeça e pescoço representa os tumores malignos do trato aerodigestivo superior que abrange região da face, cavidades nasais, cavidade oral, faringe, laringe, tireoide, tecidos moles do pescoço e pele da face e couro cabeludo, representando 5% de todos os tipos de câncer. Epidemiologicamente é a quinta neoplasia maligna mais comum no mundo, com uma incidência anual de 780 mil casos.

Esses tipos de tumores ocorrem com maior frequência em indivíduos do sexo masculino e na faixa etária acima de 50 anos de idade, sendo o tipo histológico mais comum os carcinomas epinocelulares. Entre os fatores de risco para o desenvolvimento da doença, disparadamente estão os hábitos de vida, como consumo de tabaco e álcool, estando entre outros fatores má dentição,...

Leia mais ➜

Fisioterapia oncológica. Meu paciente tem metástase óssea e agora?

A presença de metástase óssea gera grande impacto sobre o sistema musculoesquelético e seu tratamento permanece um grande desafio para os profissionais da área da saúde, entre eles, o fisioterapeuta, que ao mesmo tempo em que busca através de suas condutas manter e/ou melhorar o nível de independência funcional de seus pacientes, está diante de um risco iminente de fratura.

A metástase óssea ocorre quando células cancerígenas de um tumor primário se disseminam através das vias sanguíneas ou linfáticas para o tecido ósseo.

Os cânceres do pulmão, mama, próstata, rim e tireoide são os que levam com maior frequência a migração dessas células. Sendo os ossos mais afetados: coluna...

Leia mais ➜

O papel do fisioterapeuta no cuidado paliativo.

Segundo a Organização Mundial de Saúde cuidados  paliativos pode ser definido como “uma abordagem que promove a qualidade de vida de pacientes e seus familiares, que enfrentam doenças que ameacem a continuidade da vida, por meio da prevenção e do alívio do sofrimento”, mas de uma maneira mais simples podemos entender os cuidados paliativos como a arte de cuidar associada aos conhecimentos científicos. Entre os princípios do cuidados paliativos estão:

  • Promover o alívio da dor e de outros sintomas desagradáveis
  • Afirmar a vida e considerar a morte um processo natural
  • Não acelerar nem adiar a morte
  • Integrar os aspectos psicológicos e espirituais no cuidado ao paciente
  • Oferecer um sistema de suporte que possibilite ao...

    Leia mais ➜

Abordagem fisioterapêutica precoce no câncer de mama.

O procedimento cirúrgico para retirada de neoplasias mamárias é o principal tratamento para o câncer de mama, podendo estar associado a outros tratamentos complementares antes (neoadjuvantes) ou após (adjuvantes) a cirurgia, como radioterapia, quimioterapia e/ou hormonioterapia.

Muitas vezes se faz necessário a abordagem cirúrgica axilar, chamada de esvaziamento axilar, para estadiamento e controle da doença, no esvaziamento axilar são retirados parcialmente ou totalmente os linfonodos axilares, devido ao alto risco de metástase por via linfática.

Com os avanços técnico-científicos, as cirurgias oncológicas tendem a preservar o maior número de estruturas possíveis, porém mesmo com todas as campanhas preventivas para o diagnóstico...

Leia mais ➜

Ambiente virtual como recurso terapêutico no câncer

Já pensou em utilizar a tecnologia para beneficiar seus pacientes com câncer?

O uso de videogames para Reabilitação Virtual é um método seguro e aceitável, mas que não substitui a terapia convencional, mas sim pode complementa - lá contribuindo para um tratamento mais eficaz, também para pacientes com câncer. E vamos saber mais sobre como nessa matéria.

O processo de reabilitação exige do profissional da saúde, principalmente o fisioterapeuta, conhecimento sobre a enfermidade a ser tratada e as deficiências causadas pela perda dos movimentos, tornando a busca de novas técnicas e novos métodos para a recuperação do paciente constante.

Entre os métodos utilizados para recuperação dos pacientes encontra-se o Treinamento de Realidade Virtual (TRV) ou Reabilitação Virtual (RV), que começaram a serem utilizados...

Leia mais ➜

Mieloma Multiplo - Fisioterapia no pós operatório de cirurgias ortopédicas

O Mieloma Múltiplo (MM) é um tipo de câncer hematológico que se origina na medula óssea, caracterizado por expansão dos plasmócitos (células que produzem imunoglobulinas), promovendo progressivamente destruição óssea, falência renal, diminuição das células sanguíneas e infecções.

Epidemiologicamente os pacientes mais acometidos são do gênero masculino entre a sexta e sétima década de vida, sendo mais comum em pessoas idosas, porém 2% dos pacientes diagnosticados com MM tem menos de 40 anos. 

Os plasmócitos malignos ativam as células responsáveis pela reabsorção óssea, os osteoclastos. O aumento da atividade dos oteoclastos acaba gerando um desequilíbrio de reabsorção e...

Leia mais ➜

Compartilhar!